Seta voltar
Notícias

09/08/2016

Timbre de Galo apresenta abertura do XIII Festival Internacional de Folclore

147076985362

Com tema central que recorda os 100 anos da morte do escritor gaúcho João Simões Lopes Neto (1865-1916), o Grupo de Teatro Timbre de Galo é responsável pelo trabalho de pesquisa, organização, montagem e execução da abertura do XIII Festival Internacional de Folclore, que acontece de 12 a 20 de agosto, em Passo Fundo (RS). O trabalho acontece com o apoio da Baillar Centro de Danças e da Cia. de Artes Caripaiguarás, da cidade de Guaporé. 

Durante todos os dias do evento, será apresentada a performance "Escuta-o", com alguns personagens que permeiam a obra "Contos Gauchesco & Lendas do Sul" (em especial, 'Melancia e Coco Verde') e "Correr Eguada". - São contos que, por si só, nos conduzem ao universo literário de Simões Lopes Neto. Em Melancia e Coco Verde, se destaca a história de amor entre Sia Talapa e o Cadete Costinha. Já o conto Correr Eguada narra um tempo que ficou para trás, mas que o vaqueano reconta, ativando sua memória semeada de recordações -, conta o diretor da abertura e pesquisador do Grupo Timbre de Galo, Edimar Rezende. 

Os ensaios estão acontecendo desde o mês de maio. Entre atores, dançarinos, músicos e produção, mais de 30 pessoas estão envolvidas com o trabalho. Para contar a história, serão utilizadas na encenação coreografias com boleadeiras e bumbo leguero. -Queremos uma vibração e energia que contagie o público presente. Todo este trabalho é autoral e criado especialmente para esta abertura-, destaca Edimar. 

Os contos
 
Em Melancia e Coco Verde, é contada a história de amor entre Sia Talapa e o Cadete Costinha. Ela, filha de um fazendeiro, o Velho Severo, que não queria o namoro entre os dois e, sabendo da partida do cadete para a guerra, arranjou a sua filha um casamento com o seu sobrinho, um ilhéu mui comedor de verduras, que tinha uma casa de negócios na vila.
 
O jovem casal apaixonado, na despedida dele para a batalha, combinou que, em qualquer recado, carta ou aviso, ela teria o nome de Melancia e ele, de Coco Verde. Desta forma, ninguém mais saberia.
 
O amor faz Costinha desbravar a batalha e, com ajuda do amigo Reduzo, resgatar a amada desse casamento sem consentimento.
 
O conto Correr Eguada narra um tempo que ficou para trás, mas que o vaqueano reconta, ativando sua memória semeada de recordações. Fala da lida campeira, ambientada nos campos do Major Jordão, mostrando a doma e a estima do gaúcho pelo cavalo.
 
Performance de abertura do XIII Festival Internacional de Folclore:
 
Texto e Direção: Edimar Alexandre Rezende 
Poema “Chamas que Chamam”: Eládio V. Weschenfelder 
Produção, Figurinos e Adereços: Mara Cavalheiro
Direção Musical: Rafael Terres
Coreografia: Baillar Centro de Danças, coreógrafo - Jorge Rios
Atuação: Rodrigo Vilanova, Elenice Deon, Carlos Augusto Bilhar e Edimar Alexandre Rezende
Músicos: Diego Granza e Rafael Terres
Cantores: Janaína Cavalheiro e Dadá Lima
Dançarinos: Cia de Artes Caripaigurás - Guaporé
Técnico de Som: Sérgio Nickel da Costa

FOTO : Divulgação/ Equipe da abertura do XIII Festival Internacional de Folclore

  • Fone: (054) 99613-9609 / (054) 99175-1903
  • Email: contato@timbredegalo.com.br
  • Rua Senador Pinheiro, 295-409 Vila Rodrigues, Passo Fundo - RS
Logorodape

© 2016, Grupo de Teatro Timbre de Galo. Todos os direitos reservados. Proibida a cópia total ou parcial do conteúdo deste site.